(Tradução) Essa vida bi: bi e no espectro assexual

header4

Texto traduzido para divulgação em grupo específico. Sem revisão adicional.

Texto de Hannah Johnson. Publicado originalmente com o título “This Bi Life: Bi and On The Ace Spectrum” no site Bi.org em 17/04/2017.

Quando eu era adolescente, assumindo minha identidade bi, eu estava confusa, até um pouco mais do que as pessoas normalmente ficam quando estão questionando sua sexualidade. Eu só tinha me sentido sexualmente atraída por uma pessoa antes e mesmo assim, isso só tinha acontecido após anos de amizade próxima. Eu tinha muitas perguntas. Era normal, para uma adolescente, sentir tão pouca atração sexual? Existia uma diferença entre atração sexual e atração estética? Como poderia saber se era bi se só tinha me atraído sexualmente por uma pessoa?

Anos mais tarde, me sentia mais segura na minha bissexualidade. Com 19 anos, já havia me apaixonado duas vezes, por uma garota e por um garoto (não querendo dizer que relacionamentos ou atividades sexuais com mais de um gênero são necessários para saber se você é bi – pois não é). Mas ainda me sentia um pouco estranha em relação a minha falta de atração sexual por pessoas, de qualquer gênero. Me acostumei a ser provocada (de maneira saudável, geralmente) pelos meus amigos e minha família por ser “seletiva”. A maioria das pessoas que eu conhecia poderia listar 10 ou mais pessoas pelas quais elas se sentiram sexualmente atraídas e eu, às vezes, me perguntava o que poderia existir de errado comigo.

Ouvi sobre assexualidade no Tumblr, mas não me identifiquei, exatamente. Assexualidade, de modo geral, se refere a falta de atração sexual, mas eu já tinha sentido essa atração (e gostava de experiências sexuais). Porém, logo comecei a ler sobre outros termos na internet, como espectro ace¹. Ele se refere ao fato de a assexualidade ser, na realidade, um espectro e que as pessoas dentro dele possuem uma variedade de experiências. Então, se a assexualidade não era tão estrita assim, eu poderia estar nesse espectro?

Aí, conheci o termo demissexual. Demissexuais somente sentem atração sexual quando se estabelece um laço emocional com a outra pessoa e formar esse laço não necessariamente significa que a atração sexual vai ocorrer, obrigatoriamente. Depois de anos me sentindo com uma vivência exclusiva, aprendi que outras pessoas também se sentiam assim! Fiquei empolgada em ter um termo que pudesse me descrever de maneira tão certeira. Mas me preocupava o fato de que me identificar no espectro ace fosse significar que eu já não pudesse mais me identificar como bi. Por sorte, esse não foi o caso. Com o passar dos anos, convivi com diversas pessoas, online e offline, que estão no espectro ace e que também se identificam com outras orientações. Você pode se identificar como assexual e bi-romântico, demissexual e panssexual, gray-assexual e homo-romântico² e diversas outras combinações.

Foi um alivio enorme saber que poderia manter a minha identidade bi (que se tornou muito importante para mim) e também reconhecer essa outra faceta minha. Comecei a me identificar como bi e demissexual, ou bidemissexual. Para mim, isso significa que posso me atrair sexualmente por pessoas de qualquer gênero, mas somente depois que o laço emocional se estabelece e, também, que costumo sentir essa atração sexual com menos frequência que a maioria das pessoas.

Agora você deve estar se perguntando Por que precisamos ter uma identidade para tudo? Por que você não pode ser somente quem é? É uma pergunta que me fazem bastante. Todos e todas são diferentes e isso significa que todos e todas tem sentimentos diferentes em relação a identidades. Algumas pessoas não gostam delas e isso é perfeitamente ok. Mas para mim, identidades servem para que possa me compreenda melhor e para que possa me conectar com outras pessoas. Acho incrível o fato de alguém ter o poder de procurar sobre assexualidade na internet e achar informações que façam essa pessoa sentir-se menos solitária, ou que façam essa pessoa realizar que ela não está incompleta. Existem estereótipos sobre a geração dos anos 2000 “criarem palavras” no Tumblr, mas quando estamos nos referindo a gênero e sexualidade, creio que é lógica essa expansão de vocabulário. Existem diversas formas que a (as)sexualidade pode se manifestar, então porque não criar esses termos próprios?

NOTAS DE TRADUÇÃO:

¹Espectro Ace é a mesma coisa que espectro assexual. Ace, muitas vezes, é um diminutivo para assexual, usado pela própria comunidade.

²Assexual e bi-romântico = pessoas que não sentem (ou sentem pouca) atração sexual, mas se interessam romanticamente por diversos gêneros.
Demissexual e panssexual = pessoas demissexuais no que diz respeito à prática sexual (ou à não prática) e que também se identificam como panssexuais.
Gray-assexual e homo-romântico = pessoas que estão na chamada “área cinza” da assexualidade (não se identificam como estritamente assexuais e nem como demissexuais) no que diz respeito à prática sexual (ou à não prática) e que se atraem romanticamente pelo gênero masculino.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s